Na pele
créditos: Getty Images

Na pele

Quando pequenos, a maioria de nós sonha em se tornar diversas coisas, mas aí vem a vida com a rotina e suas obrigações e esses sonhos acabam se perdendo no meio do caminho. Crescemos, e vamos tentando nos encaixar uma sociedade dita como certa e correta. Mas pergunto: esse é realmente o caminho certo?

A verdade é que não existe certo ou errado nesse mundo. O que existe é o julgamento próprio e de outros - os quais, muitas vezes, nos condicionamos a aceitar.

Somos o resultado de nossas escolhas e o que nos prende para fazer algo mais audacioso é apenas o medo, a rotina ou o próprio julgamento sobre o que os outros podem pensar. Eu questiono: mas e daí se a pessoa faz isso ou aquilo? No quê isso interfere em alguém a ponto de julgar?

Todos nós temos uma máscara que esconde as dores e sabores de ser quem somos. E só quem vive na pele, só quem conhece sua realidade, só quem vive o dia a dia de sua batalha, só quem passa o perrengue é quem pode falar!

O julgamento nunca é justo, e só quem conhece seus sentimentos internos pode falar sobre si.

Nada impede ninguém de ser várias versões de si mesmo. Somos camaleões na aparência. Trata-se de uma questão de risco calculado, pois quando se conhece a própria essência, pode-se ser qualquer coisa, pode ser mil pessoas em uma. A loucura de uns pode ser a normalidade de outros. E aí é que está a graça!

Em todos os momentos da vida você pode brincar e saber rir de si mesmo, desde que tenha condições e autoconhecimento de suas capacidades, pois só vontade não basta e às vezes temos que aceitar nossos limites. Seja na música, no esporte, no modo de vestir, na profissão que escolhe, na formação, na opção sexual, na religião e em qualquer outra área, o ser humano pode, sim, brincar consigo mesmo e se permitir o direito de escolher o que lhe faz feliz, independente do que qualquer outra pessoa nesse mundo possa achar. Até porque, no final do dia, quem paga suas contas e deita com a cabeça no travesseiro é somente quem toma suas próprias decisões. Ou seja: você.

Muita gente tem a mania de pregar a moral de cueca ou calcinha. Pornografia parece algo promíscuo ou, se pegam um vídeo de alguém e postam na internet, já falam mal. Por quê? Todos têm um lado sarcástico, pornográfico ou maléfico. Isso é inato do ser humano, que não mostra a todos por questão de bom senso, mas basta olhar o histórico de qualquer computador ou celular para perceber o que tem na mente. Hipocrisia barata! E esse é apenas um exemplo de diversos julgamentos que vemos por aí, mas que no fundo, nada mais são do que a verdade explicitada pelos autênticos e garantidos de si mesmo.

As redes sociais nos trouxeram ainda mais julgamentos e busca constante por afirmações que inflam os egos. O uso de hashtags com mensagens bonitinhas esperando pelo tão esperado ´curtir´ virou lei de sobrevivência para sair de casa. É óbvio que boa parte de nós aqui quer confete, faz parte, é bom para o ego, mas voltar seus atos em prol do julgamento alheio é sinal da falta de autossuficiência. A vida é muito mais que isso! É conhecer e respeitar a si mesmo antes de olhar para o nariz do lado.

Quem é livre disso, quem é livre de suas próprias amarras, não se importa para o quê mundo diz ser certo ou errado. Quem é livre de preconceitos, mas que se dá o respeito, é digno de viver na pele.

Viver na pele é viver à flor da pele. É ser um louco consciente de seus atos, que sabe rir de si mesmo e se garante em qualquer situação desconfortável, que tem humildade para reconhecer suas fraquezas, mas que disso tira forças para abrir novos caminhos. Quem vive na pele é quem deixa marcas por essa vida, marcas boas, que fazem a diferença não apenas na própria rotina, mas que positivamente transformam a rotina de outras pessoas.

Marcas de quem tem a ousadia de ser quem nunca imaginaria, daqueles que, sem saber que uma coisa é impossível, vai lá e faz!

Faça!



Gustavo Sana



Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa afiliados Área do parceiro Publicidade Imprensa Contato RSS