Cava: o espumante catalão
créditos: AdobeStock

Cava: o espumante catalão

Sempre vinculado a festas e celebrações, este manjar líquido, que agrada dos paladares mais humildes até os mais exigentes, conquista cada vez mais espaço no mundo inteiro. Com nada a invejar dos vinhos franceses, a variedade espanhola (não apenas produzida na Catalunha) chegou aos cantos mais afastados do planeta.

Bodas, aniversários, eventos esportivos... Qualquer desculpa é boa para abrir uma garrafa repleta de borbulhas. A bebida é perfeita para acompanhar peixes e frutos do mar, pratos mais suaves que fazem o casamento perfeito com este vinho sensacional, uma mistura de tradição e modernidade, de alegria e ilusão. Não podemos negar que, em certos momentos, pode se tornar o melhor companheiro em uma noite de paixão.

Esta variedade de vinho, com nomes distintos de acordo com os países, surgiu na região francesa de Champagne. Foi lá onde os primeiros produtores, Fracesc Gil e Domènec Soberano, de Reus, que em 1868 o apresentaram na Exposição Universal de Paris. Inicialmente era produzida com as mesmas variedades francesas utilizadas pelo Champagne, até que em 1887 uma praga arruinou o cultivo de uvas. Isso causou uma renovação das variedades utilizadas, com a introdução de uvas brancas com qualidade nativa, substituindo as variedades negras. Tal substituição facilitou a produção da cava, que conseguiu uma identidade própria.

Em 1972, antes do conflito da França pela denominação champán, constituiu-se o Conselho Regulador dos Vinhos Espumantes, que aprovou a denominação de ‘cava’ para o espumante espanhol, dando fim à disputa e valorizando o nome comum utilizado na região para este vinho, chamado ‘vinho de cava’.
 

Variedades de uva
As principais variedades de uvas utilizadas na preparação da cava são: macabeo, parellada e xarel-lo. Cada uma delas oferece à cava características próprias, que se complementam:
- a macabeo oferece doçura e perfume
- a parellada oferece fineza, frescor e aroma
- e a xarel-lo oferece corpo e estrutura.

A chardonnay e a pinot noir são utilizadas para produzir imitações de champanhe. Também existem outras variedades secundárias, como o subirat parent, também chamado de malvasia. Para os rosés se utilizam também as variedades garnacha, monastrell e trepat.

A partir dessas variedades de uva a base do vinho é elaborada, de onde surge o vinho espumante em uma segunda fermentação. Uma vez que os vinhos de base são obtidos, a mistura adequada é feita.

Tipos
·              Brut Nature até 3 g, sem adição de açúcar
·              Extra Brut até 6 g de açúcar por litro
·              Brut até 12 g de açúcar por litro
·              Extra Seco entre 12 e 17 g por litro
·              Seco entre 17 e 32 g por litro
·              Demi sec entre 32 e 50 g por litro
·              Suave mais de 50 g por litro

Avaliação das colheitas desde 2005:
·              2005 Muito boa
·              2006 Excelente
·              2007 Excelente
·              2008 Excelente
·              2009 Muito boa
·              2010 Boa
·              2011 Muito boa
·              2012 Muito boa
·              2013 Excelente

 

Rafael Paniagua



Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa afiliados Área do parceiro Publicidade Imprensa Contato RSS